Postado por Redação Créditopara.Vc, 14 de janeiro de 2021 - 13:33.

 

Esta foi a década de despertar do brasileiro para o mundo dos investimentos. Informações a partir das buscas online analisadas pela Decode, empresa de dados e client acquisition, mostram que a procura por investimento aumentou 22% nos últimos 5 anos. Em 2020 – mesmo com a crise, houve um aumento de 89% nos cadastros de pessoa física na Bolsa de Valores Brasileira (B3). Ou seja: tem muita gente interessada em comprar ações de empresas.

Neste turbulento 2020 de lockdowns pelo mundo afora, circuit breakers em sequência na Bolsa no primeiro semestre e eleição para presidência americana, entre outros fatores que agitaram o mercado financeiro, muitos investidores experientes viram o momento como oportunidade para comprar bons papéis por preços baixos. Para isto, é importante estudar o comportamento do mercado e analisar o histórico das empresas que estão na Bolsa.

Antigamente, as pessoas físicas tinham maior dificuldade de adquirir papéis da Bolsa porque dependia de uma grande burocracia na intermediação das instituições financeiras. Mas, hoje em dia, com a digitalização de tudo, o acesso à compra de ações está, literalmente, na palma da mão: nos aplicativos de home broker dos bancos e das corretoras de valores.

Para isso, o investidor precisa abrir uma conta numa corretora e enviar o montante para lá, como explicamos neste artigo. Através dela (ou do banco de sua preferência), a pessoa também realiza o seu cadastro na Bolsa de Valores. Depois de fazer isso, o investidor tem basicamente duas opções para comprar ações de empresas: indiretamente, por meio de fundos de investimento, ou diretamente, fazendo oferta de compra na Bolsa.

No caso dos fundos de investimento, os investidores têm cotas de ativos selecionados pelo gestor do fundo. Ou seja, não cabe ao investidor escolher todos os ativos (ações) em que está investindo. A vantagem é poder dividir as taxas de custódia e contar com a avaliação de um profissional experiente para decidir a estratégia de investimento.

Além dos fundos, outra alternativa de investimento indireto é a compra de Exchange Traded Funds (ETFs), conjunto de ações que oferecem a diversificação do investimento e prometem maior rentabilidade. É também uma forma mais barata de entrar no mercado.

Caso opte por investir diretamente no mercado, através de um Home Broker (baixe agora o do BTG Digital!) é possível escolher as ações exatamente das empresas favoritas do investidor, o que dá um maior controle sobre o investimento. Porém, todos os custos que incidem sobre ele são arcados individualmente.