Postado por Redação Créditopara.Vc, 1 de março de 2021 - 07:00.

Para quem trabalha de forma autônoma, conseguir crédito pode ser bastante complicado. Isto, porque a maioria das empresas pede comprovação de renda, como holerites, para aprovarem as solicitações de seus clientes, algo que os autônomos não possuem.

No entanto, é possível conseguir se você apresentar extratos bancários ou mesmo sua Declaração de Imposto de Renda, pois, através desses documentos, há a comprovação de que possui rendimentos através de seu trabalho.

Mas, e quem é autônomo e está negativado?

Se você está nessa situação, sua principal dúvida é: Qual banco faz empréstimo para negativado autônomo?

Nesse caso, as dificuldades para ser aprovado na sua solicitação são bem maiores porque já possui restrições por conta das dívidas em aberto. Algumas empresas podem até aprovar, mas as exigências e as taxas de juros cobradas costumam ser mais altas que nos empréstimos normais. Além dos juros, você pode ter de pagar outras taxas, como: IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), tarifas de cadastro, seguros e impostos.

Que bancos aprovam empréstimos para Autônomos Negativados?

Algumas instituições financeiras e fintechs oferecem essa possibilidade.

Se você acessar o site do Serasa eCred, verá que alguns parceiros do Serasa possuem linhas de crédito para quem está com o “nome sujo” e deseja resolver a situação ou necessita de um valor emergencial. Entre elas, estão:

  • Itaú
  • Santander
  • Simplic
  • Crefaz
  • BV
  • Valor Financiamentos
  • BMS

Vale a pena fazer um empréstimo para solucionar suas pendências ou até reunir todas as dívidas em apenas uma. Assim, você facilita o controle dos pagamentos e diminui o valor mensal a ser pago, porém é muito importante pesquisar muito bem antes de contratar um empréstimo.

Infelizmente, existem muitas empresas fraudulentas no mercado e você precisa ficar atento para não cair em um golpe. Por isto, a dica é verificar se a empresa é idônea, analisar as taxas e outras cobranças incidentes sobre o valor solicitado, considerar o Custo Efetivo Final, ou seja, quanto você vai pagar no total do parcelamento.

Às vezes é mais vantajoso renegociar suas dívidas com os credores do que pegar um empréstimo cujo custo final seja muito mais elevado do que a soma de possíveis acordos.

Então, pesquise, avalie todas as possibilidades, calcule bem e opte pela solução mais adequada para você, que esteja dentro de suas possibilidades e não comprometa em demais sua renda.